quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Relato da Experiência de nossa Estudante Íris Viana no Canadá


Bem... Como posso começar a contar sobre a minha troca de experiências aqui no Canadá? Em minha opinião, só há uma palavra que pode descrever tudo: "maravilhoso", porém tive um choque cultural, não era apenas o idioma, porque quando eu cheguei no Canadá eu já podia me comunicar em inglês. 
Um dos momentos ruins foi quando eu me perdi aqui, a minha sorte foi que eu pedi informações. Eu não gosto nem de me lembrar, foi um dia terrível.
Não gostei da comida canadense. Eu nunca poderia imaginar que eu perderia 10 quilos em apenas 2 meses e meio. Eles comem sopa de cebola e pensam que os brasileiros são uma espécie de loucos porque colocam ketchup na pizza. 
São duas culturas diferentes, mas é claro estou aprendendo coisas incríveis com eles. São pessoas maravilhosas e educadas e ajudaram a me tornar uma pessoa independente. 
Eu moro em Newfoundland, no Canadá. É uma província canadense incrível e bonita. Eu sempre saio com a minha família anfitriã aos pontos turísticos: museu, rocky jogo e alguns restaurantes. Eles são maravilhosos. 
Na minha casa tem quatro pessoas: eu, minha irmã de acolhimento Megan, minha mãe e meu pai Tom e também há três cães chamados Bo, Pinnat e Ava, eles são tão bonitos, eu os amo. 
Sou a primeira estudante de intercâmbio em sua casa, eles me ajudam muito, minha mãe lê comigo todos os dias. É tão legal! hoje em dia eu posso sonhar, ler, pensar, escrever, falar e pensar apenas em Inglês. Eu não tenho palavras para descrever meus sentimentos, agora eu posso entender as músicas, filmes e o mais importante que eu posso entender tudo o que eles dizem. 
Meu sonho está se tornando realidade "bilíngue". 
Eu não precisava comprar nenhuma roupa de inverno, pois minha família me emprestava. 
Eu moro apenas cinco minutos da minha escola É uma escola extraordinária e linda, eu estudo sete disciplinas: Inglês, Escrita, Ciência, Matemática, Vida Saudável, Estudos NL e Tecnologias de Arte. Eu não tenho uma série certa, estudo no 10º ano, 11º ano e 12º ano. 
Está sendo uma grande experiência estudar em uma escola desenvolvida. Lá só tem três estudantes do Programa Ganhe o Mundo: Eu, uma de Vitória e outra de São Bento do Una, há mais dois brasileiros, mas eles já moram aqui, e uma menina do México. 
Então, sem dúvida, eu vou levar comigo para o Brasil, grandes experiências. Estou gostando muito da oportunidade que estou tendo e digo àqueles que estão estudando no curso do Programa Ganhe o Mundo NÃO DESISTAM! Se seu sonho é realmente estudar em um outro país, você pode fazê-lo, você só tem que se concentrar e estudar. 
Estou um pouco ausente de todos, mas jajá estou de volta!
Beijos, Iris Viana.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Agradecimento por tudo que tem feito e por tudo que vai fazer em minha vida..








11 anos andando sobre rodas...é um bom tempo de vida...vida que passa, vida que continua, vida que segue...olhar para trás com o intuito de refletir e aprender, deixando o passado lá, quietinho no seu canto, afinal, ele já fez o papel dele...como diria Sartre: "Não importa o que fizeram com você, o importante é o que você faz daquilo que fizeram com você"... acredito nas palavras do Apóstolo Paulo quando ele diz em Fp 3.13: Quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo.

Eu poderia falar aqui sobre o acidente de mergulho que fez literalmente meu pescoço quebrar comprimindo a medula na altura da sétima vértebra cervical ...poderia falar dos milhares de medicamentos, dos meses internado, das milhares sondas de alívio, das dores neuropáticas, da retenção de temperatura do verão e inverno, da falta de equilíbrio, da dificuldade de locomoção, dos tombos nas calçadas, nas ruas, em casa, enfim, assunto não ia faltar...mas quero neste dia falar de alguém; alguém que realmente merece ser falado.

Dia 17 de dezembro de 2003 eu estava internado no Instituto de Traumatologia do HC de São Paulo quando um homem me reapresentou uma pessoa. Seu nome? Vou contar, mas posso adiantar que é conhecido também como MA-RA-VI-LHO-SO...eu já tinha escutado sobre ele, eu o conheci quando tinha apenas 8 anos de idade, mas acabei deixando sua amizade de lado para viver as aventuras do mundo...tá certo, eu era uma criança ainda, mas passei praticamente os 20 anos seguintes fugindo dele, afinal, o mundo é cheio de prazeres que nos cegam diariamente.

Hoje digo com propriedade que sem Ele não teria conseguido chegar aonde cheguei...Ele me acalmou quando tudo parecia perdido. Ele me ajudou e ficou do meu lado, mesmo quando quase todos me deixaram. Ele me sustentou quando dei conta que tinha perdido quase tudo. Pra ser sincero, Ele passou 29 anos pedindo permissão para entrar em meu coração, mas eu relutava em recebê-lo. Afinal, quando estamos com os olhos fixos no mundo, cegamos nossa visão para o que realmente importa. Entretanto, uma coisa é certa, enquanto há vida, há esperança.

Como é bom sentir a sua presença, o seu cuidado, o seu carinho e o seu incondicional amor. Como é bom saber que nos momentos bons e nos momentos de dificuldade, independente do nosso humor, se o dia foi bom ou ruim Ele permanece ali, do nosso lado cuidando da nossa vida para que nada e ninguém nos faça mal. Como é bom saber que enquanto estivermos debaixo da sua direção tudo irá bem e nenhum mal nos sucederá. Essa certeza a gente só tem quando verdadeiramente abrimos a porta do nosso coração para Ele entrar, sentar e cear com a gente. O nome dele? JESUS CRISTO!

Ele é tão lindo que eu falo nos lugares onde vou: Não troco esses 11 anos andando com Jesus, mesmo estando sobre uma cadeira de rodas, pelos 29 anos andando sem Ele, quando caminhava com a força das minhas pernas.

A Ele meu agradecimento por tudo que tem feito e por tudo que vai fazer em minha vida...a Ele seja a honra, a Glória e o Louvor para todo o Sempre...A ti, Senhor Jesus, o meu muito obrigado por não me deixar, mesmo que por um segundo sequer.











Essa época do ano é o período em que mais aumentam os casos de TETRAPLEGIA por causa das quedas.


Essa época do ano é o período em que mais aumentam os casos de TETRAPLEGIA por causa das quedas. Elas correspondem à quarta causa de lesão medular no mundo, porém, no verão, sobem para a segunda posição. E entende-se por quedas os famosos MERGULHOS em piscinas, rios, lagos, açudes e mar.
Para a galera que gosta de mergulhar, vai aí um recadinho: PREVENIR É A ÚNICA MANEIRA DE VOCÊ NÃO FAZER PARTE DESSA ESTATÍSTICA. Deixe os mergulhos, por mais simples que pareçam, para os atletas dos saltos ornamentais. Eles treinam o ano inteiro para isso.
Você, antes de pular na água, tenha em mente o seguinte: Na piscina, em vez de pular de cabeça, desça pelos degraus, é muito mais seguro. No mar, não mergulhe de cabeça, bancos de areia nem sempre são vistos por cima das ondas. Nos rios, lagos e açudes, nunca pule de cabeça, as pedras geralmente ficam submersas aos olhos humanos...Parece bobagem né? mas vai por mim, um simples gesto pode mudar completamente a sua vida, e pode mudar para sempre...Seja consciente e cuide-se, alguns acidentes ainda podem ser evitados.
                 Elas correspondem à quarta causa de lesão medular no mundo, porém, no verão, sobem para a segunda posição. E entende-se por quedas os famosos MERGULHOS em piscinas, rios, lagos, açudes e mar.Para a galera que gosta de mergulhar, vai aí um recadinho: PREVENIR É A ÚNICA MANEIRA DE VOCÊ NÃO FAZER PARTE DESSA ESTATÍSTICA. Deixe os mergulhos, por mais simples que pareçam, para os atletas dos saltos ornamentais. Eles treinam o ano inteiro para isso.Você, antes de pular na água, tenha em mente o seguinte: Na piscina, em vez de pular de cabeça, desça pelos degraus, é muito mais seguro. No mar, não mergulhe de cabeça, bancos de areia nem sempre são vistos por cima das ondas. Nos rios, lagos e açudes, nunca pule de cabeça, as pedras geralmente ficam submersas aos olhos humanos...Parece bobagem né? mas vai por mim, um simples gesto pode mudar completamente a sua vida, e pode mudar para sempre...Seja consciente e cuide-se, alguns acidentes ainda podem ser evitados.
por:Leandro Cussolini




As lições da vida não são fáceis, mas temos Deus, que faz tudo tornar possível.

As vezes os ventos são fortes e acabam "quebrando" tudo dentro de nós, abala a nossa confiança, força e fé.
É quando Deus chega e "cola os pedaços" e enquanto isso, nos diz: "Filho, estou aqui, vou reconstruir o que se perdeu, confie em mim."
É quando nos enchemos de Deus e seguimos, pois não somos fortes, sim o Deus que habita em nós. É Ele quem refaz, renova, restaura e nos faz recomeçar para vencer.

INTERCAMBISTA RELATA SUA EXPERIÊNCIA NO CANADÁ


A Escola de Referência em Ensino Médio Regina Pacis conta com 02 estudantes fazendo intercâmbio no Canadá, pelo Programa Ganhe o Mundo. Dessas, a estudante BRUNA ALVES DA SILVA enviou um depoimento falando um pouco de sua experiência em outro país.


___________________________________


Realizar o sonho do intercâmbio foi incrível. Ir sozinha para um país que fala outra língua e tem outros costumes, não é fácil, principalmente quando se tem apenas 15 anos, mas até agora está dando tudo certo. Talvez por eu ter conseguido esse intercâmbio, eu estou mais feliz. Saber que você conquistou um sonho com seu esforço e não com o dinheiro dos pais, é uma coisa que eu nem consigo descrever. 

As pessoas são extremamente educadas, sempre estão ali para te dar uma forcinha. Não zombam se você fala uma palavra errada, tentam concertar seu erro da melhor maneira possível.
Ter contato com pessoas de outros países é muito incrível. Fazer amizades, estudar novas coisas, conhecer novos lugares, comer alimentos diferentes... Cada detalhe deixa tudo mais incrível.
Não podia descrever felicidade maior. Não me arrependo de nada e vou aproveitar tudo, porque essa é a melhor experiência que eu já pude ter.

O segundo ano do ensino médio aqui corresponde à Grade 11 do High School. Demorou poucos dias para minhas aulas começarem e eu estava super ansiosa e com uma expectativa enorme, afinal, eu iria estudar numa escola que eu sempre sonhei e é mais incrível do que imaginei. 
Aqueles corredores cheios de armários e várias coisas sobre o time na parede. É tudo muito lindo, e nem parece escola pública de tão bem estruturada que é. Quase explodi de felicidade ao ver que eu ia entrar em contato com adolescentes canadenses. 

Esforço, é a palavra. E foi apenas disso que eu precisei para me adaptar, principalmente com a escola. Não é fácil não ter amigos e na maioria das vezes, não ter com quem conversar.
Mas tudo depende de mim, e isso é questão de tempo. Os canadenses são simpáticos, mas é difícil de se relacionar com eles porque são muito fechados.
Na minha escola tem mais nove brasileiros que são super legais e sempre me ajudam.
Eu gosto muito da minha família, talvez, pelo simples fato deles receberem uma pessoa em sua casa que nem conhecem e fazer com que ela se sinta parte da família essa é a melhor parte do meu intercâmbio eles são incríveis e estão sempre dispostos a me ajudar. 

Na minha casa mora um universitário da Índia, um casal Asiático, minha mãe e eu.
Não é fácil, não está sendo e nem vai ser, mas mesmo com toda a saudade eu aprendi a conviver longe das pessoas que amo, e com toda dificuldade, posso sim dizer que não está sendo como imaginei, está sendo melhor!
Receber um choque cultural nunca foi tão bom.
Voltarei com a bagagem cheia de conhecimentos, nova cultura, novo idioma e novas amizades.
Se alguém disser um dia que viajar é a melhor forma de ser perder e se achar ao mesmo tempo, pois bem, aqui batemos de frente com nós mesmos 
e nos encontramos.
fonte:http://escola-reginapacis.blogspot.com.br/